3.4.06

Prelúdio

A publicação de dois poemas do jornal "Prelúdio", ainda no anterior Pantalassa, levou-me (nos) a um feliz encontro com um dos seus fundadores, o José Miguel Leal da Silva. Havemos de voltar a esse magnífico encontro apenas possível devido a esta maravilha tecnológica que é a Internet. Por hoje fica mais um pedaço dessa importante memória, que será alvo, doravante, de uma abordagem sistemática neste espaço. Um abraço de amizade ao Eng. José Miguel Leal da Silva.

Pinheiros

Ao Manuel Alegre Duarte

Pinheiros que aí estais no alto das encostas,
Beijados pelas águas dos ribeiros,
Pinheiros que jazeis no cimo dos outeiros,
Ouvi meus ais, meus brados,
Troncos perdidos no negro dos valados,
Emergindo dos tufos dos salgueiros,
Velhos de longas barbas, já curvados,
Por entre os castanheiros...
Tristes lembranças de velhas amizades,
Sois vós, pinheiros das encostas,
Que, como camponesas de mãos postas,
Rezais, contritos, à hora das Trindades...

José Miguel Leal da Silva (6.º ano)
in Prelúdio, N.º 3, Gazeta dos Alunos do Liceu de Alexandre Herculano, Porto, 31 de Março de 1953